quinta-feira, 27 de maio de 2010

Grãos do impossível

                                    

                                                                            Renoir
                                                           •♥´¨`♥•.¸¸.•♥´¨`♥•.¸¸.•♥´¨`♥•


E se a poeira do vento me soprar?

Se ela sussurrar no meu ouvido bem baixinho?

O que eu diria a ela?

O que eu faria com os grãos de poeira que repousariam na sentinela dos meus cabelos?

Os reflexos loiros os esconderiam?

Incomodariam-me?

Ou será que apenas voariam pela imensidão das ruas?

Qual a trilha sonora para esta cena de novela?

Seria o piano minimalista  de Yann Tiersen ?

Ou seria quadro renascentista de Renoir, que melhor expressaria?

E se eu dissesse que o vento me soprou?

Que ele sopra a cada instante.
A cada brilho não revelado.
A cada chão mal encaixado.
A cada cheiro sustentado pelo ar.
A cada verso pairando nas cabeças.

Seria luz ou escuridão?
Seria pé ou seria chão?
Seria beijo ou só desejo?
Seria casca ou teria alma?

Não sei.

A única coisa que sei através do sentir, é que o vento me sopra na via de contramão.

Os grãos me sussurram baixinho.

Uma pena; só ouve, quem tem ouvidos para enxergar. E só vê, quem tem olhos para desvendar.

É preciso sentir mais, viver mais, se entregar mais.

É preciso ser inteiro. Não vou  me fragmentar.

No máximo me libertar.
E me transfomar em grãos.
E quem sabe, sussurrar em ouvidos.
E quem sabe, beijar bocas.
E quem sabe, tocar almas.
E quem sabe, escrever palavras.

Que um dia dirão: saiba amar.
Saiba esperar.
Saiba ouvir e ver o impossível acontecer.

Quando? Como?

Quando a poeira do vento soprar... esteja lá, para ver com o coração.

Ela dirá: está tudo dentro de você. Apenas, saiba ver.

Vê?

O impossível acontecer dentro de você...

•♥´¨`♥•.¸¸.•♥´¨`♥•.¸¸.•♥´¨`♥•

Inspirado na música Good Bye Lenin- de Yann Tiersen. 
Link para ouvir ao ler:  http://bit.ly/a5MEy9

2 comentários:

  1. Belas palavras, Camila, posso transformá-las em pensamento sintetizam tua simplicidade, mas demonstra um grande valor, a essência desse teu texto. "É preciso ser inteiro. Não vou me fragmentar. (...) Quando a poeira do vento soprar... esteja lá, para ver com o coração. (...) Vê? O impossível acontecer dentro de você..."
    Por essa razão, vamos fazer um brinde a vida, o qual ensina a cada grão de areia que passa com o nascer uma nova lição. E se percebe que o impossível dependerá da fé e determinação!

    ResponderExcluir
  2. Quando o vento nos sopra pra longe corremos o risco de nos perder um pouco...mas há a esperança de nos encontramos mais adiante...

    lindos versos!

    obrigado pelo comentário lá no blog...e pela pergunta no formspring...

    beijos

    ResponderExcluir